Lean Startup é uma prática muito importante para toda startup que deseja crescer e se destacar no Mercado.
Lívia Amorim

Lívia Amorim

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on reddit
Share on email

Lean Startup: Direcionando o seu negócio

Manter uma startup não é tarefa fácil, não é mesmo? Muitas dúvidas podem surgir sobre como crescer com a empresa, como gerir os colaboradores, muitas vezes responder pelas contas.. Sim, é bastante coisa. Por isso fizemos mais um artigo sobre Lean Startup para te ajudar.

Aqui falaremos sobre o que fazer depois que a ideia saiu do papel. Como enfrentar os problemas reais. Você vai entender como gerir uma startup de sucesso através dos feedbacks e como proceder depois de recebê-los. Preparado para alavancar sua startup? Então boa leitura.

O que é Lean Startup?

Nosso primeiro artigo sobre esse tema explica bem o que é. Você pode conferir todo o conceito lá mas faremos um breve resumo aqui para você. De forma simplista, Lean Startup é uma prática, parecida com o Design Thinking. Porém ela é totalmente voltada a alcançar o sucesso mesmo com as dificuldades e incertezas que assolam uma startup. Ela tende a custar menos tempo e dinheiro para ser executada que o Planejamento Estratégico tradicional.

Além disso, a Lean Startup ou, em outras palavras, Startup Enxuta, deve se focar em três fases: Visão, Direção e Aceleração. Hoje falaremos sobre a Direção.

Direção

Aqui se inicia a parte prática. Vamos começar a colocar em ação o que foi visto no passo “Visão”. Essa parte é mais detalhada e se foca no processo que ocorre após o feedback. Além disso, o autor do livro A Startup Enxuta, Eric Ries, também fala sobre produtos MVP e decisão entre pivotar ou perseverar.

Startups trabalham com produtos e/ou serviços que geralmente são uma novidade, um experimento. O ciclo de iniciação, segundo Ries, é parecido entre as Startups. Ele os denomina como Saltar, Testar e Medir.

1. Saltar

Cada startup funciona de forma única. Seus produtos e serviços devem ser originais e, por isso, várias dúvidas se fazem presentes no começo do negócio. Portanto, nesse tipo de empresa os experimentos são mais que necessários. Para um startup em fase inicial, saber fazer as perguntas certas é mais importante que ter as respostas imediatamente. Você deve buscar saber cada vez mais sobre seu produto, examinando-o sempre e discutindo possíveis melhoras. A partir daí é possível saltar. Porém, para isso, você deve entender algumas dicas antes.

Teste as suposições

Negócios começam a partir de ideias, a prática de Lean Startup também. Como ainda não se tem a resposta nas mãos, o que você pode fazer é testar. Teste seu produto, seu serviço, seu atendimento e faça todos os experimentos que puder. As startups devem tentar fazer esses testes iniciais com muita rapidez para começar a vender logo.

Entenda o salto de fé

É a parte arriscada de se montar uma startup. É a inovação, em si. Salto de fé é uma ideia nova, ainda não experimentada por outros, pelo menos não do jeito que você faz. Pode fazer sua empresa falir ou enriquecer. Como o nome diz, você tem que confiar no seu produto, seus colaboradores e em você. Startups tendem a experimentar o anti-análogo e por isso se destacam.

Participe do processo

É comum que CEO, Diretores e esse tipo de cargo não fique na linha de frente de certas produções. Mesmo em startups que tendem a ter uma equipe mais reduzida alguns chefes não se disponibilizam a participar da criação do produto. Não seja um desses chefes. Entendendo o máximo possível sobre toda a linha de construção. Mesmo que você não fique responsável por aquele trabalho, fará bem para a empresa.

Dicas gerais

Como você já conhece o universo do empreendedorismo, provavelmente já sabe sobre os seguintes conselhos. Porém, nunca é demais. Então, use o que você aprendeu com Design Thinking para personificar seu público-alvo com uma(s) persona(s). Lembre-se que essa persona pode ser modificada conforme os resultados de seus testes e métricas. Também se lembre de sempre tentar conversar com seus clientes, mesmo que sua empresa seja B2B. Saia um pouco do prédio e converse com as pessoas “reais”. Por último, saiba quando agir. Fazer testes e análises é muito importante mas, assim que você perceber o resultado positivo contínuo, é hora de desenvolver. Por isso, fique atento ao MVP.

2. Testar

Aqui é a hora de analisar. Os métodos e métricas que você aprendeu até agora serão essenciais nesse momento. Agora você precisa prestar muita atenção no MVP.

MVP

Em outras palavras, Produto Mínimo Viável, é definido como um dos pontos mais importantes para o empreendimento. Podemos separar ele assim:

Minimum

Pode ser entregue no menor tempo possível, menor tamanho.

Viable

Importante o suficiente para que seus clientes adotem. Preferencialmente que gere receita.

Product

Entrega de um produto final completo porém útil.

Não é apenas um produto simples que pode ser entregue em poucos dias, esse é apenas o conceito de “Minimum”. O MVP, portanto, é um produto que tenha valor real para o cliente mas que gaste o mínimo de recurso possível. Ele deve ser um produto “incompleto” que deve ser usado como teste para os saltos de fé.

3. Medir

No livro A Startup Enxuta, Eric Ries afirma que as métricas usadas em outros tipos de empresa não são eficazes para startup. Assim, ele define as técnicas de contabilidade utilizadas em:

Métricas de Vaidade

São as métricas que não trazem precisão nem as respostas corretas. Por exemplo: Se sua página foi muito acessada, não quer dizer que você ganhou mais clientes. A menos que os acessos se convertessem em leads, é apenas uma ilusão se basear nesse tipo de dado.

Métricas Acionáveis

Esse é o tipo de métrica que deve ser o foco das startups. Ela proporciona avaliações mais precisas e realistas. Ela deve poder, de fato, ser mensurável. Por exemplo: A satisfação do cliente é algo que não dá para medir efetivamente, mas você pode contabilizar quantos clientes se desligaram a sua empresa em certo período e, assim, medir se o serviço está atendendo as expectativas ou não.

Para focar no projeto de Lean Startup,

Ciclo do produto

Dentro do ciclo de testes da empresa, em si, Eric Ries define o ciclo do produto. Ele é constituído por:

Aprender

Primeiro você deve saber o que quer produzir. Deve dar seu salto de fé, como já explicado. Mas, não é porque você vai tentar algo inovador que via começar a fazer sem estudar e avaliar as possibilidades. Converse com sua equipe, se atenha aos detalhes e às hipóteses e, então, vá em frente.

Construir

Tendo a ideia fixa em mente, vocês devem começar a tentar colocar em prática seu novo produto ou serviço. Tente alinhar todos seus colaboradores ou equipes que estejam participando do processo. Além disso, tente pelo menos saber o que está acontecendo em cada fase.

Medir

O produto não precisa estar totalmente pronto para você fazer os testes ou coordenar eles. Vá testando cada fase, avalie junto com seus parceiros se há condições de seguir adiante ou não. Essa é a medida do produto em si. Caso dê tudo certo e ele seja posto à venda, chega a hora do teste de repercussão. Portanto, agora você deve medir o quanto esse produto vendeu, quando, onde e etc. Várias métricas estão disponíveis para isso.

Após o fim desse processo, começa um exatamente igual, com um outro produto. O objetivo é fazer tudo isso gastando o mínimo de dinheiro e tempo possível. Afinal, uma startup não pode parar. Ao fim desse ciclo você tem mais uma decisão a tomar: perseverar ou pivotar.

Perseverar

Se manter o mais próximo possível da ideia original. Nos processos de construção, você e sua equipe vão notando que vai dar certo e, ao final, dá mesmo. Então a ideia se mantém a mesma. Talvez com alguns ajustes.

Pivotar

Caso seu produto não obtenha o resultado esperado, você pode pivotar, mudar ele. O ideal é perceber o quanto antes quando é a hora de cancelar o plano original, assim evita desperdício de tempo e dinheiro. A prática de Lean Startup consiste nisso também. Após isso, você pode seguir normalmente com seus projetos.

Por ser uma empresa geralmente menor, algumas pessoas podem achar que gerir uma startup é fácil. Nós te entendemos, sabemos que não é. Por isso existem diversos artigos voltados só para você, empreendedor.

Confira alguns desses artigos aqui e aprenda mais sobre Lean Startup, Faturamento, Governança e vários outros assuntos que separamos para te ajudar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email